quinta-feira, 30 de setembro de 2010

Por Enquanto É Para Sempre

Eu bati na porta do amor
Ele me atendeu de uma forma rápida
Abrindo só uma fresta da porta
-Estou muito ocupado
Disse ele, com uma expressão de quem apenas quis dizer um “tchau”
Eu concordei, assisti ele fechar a porta e fiquei ali sentado, precisava ficar por perto, mesmo ele não percebendo, ou não querendo, eu fiquei por perto.

A gente perde tempo querendo ser e esquece de tentar ser
Perde tempo sentado esperando algo surpreendente chegar e esquecemos de ser surpreendente para alguém, pelo menos de tentar ser.
Há tanta vida aqui dentro e um sentimento sempre variável
Não sei explicar de que forma ele varia, mas tem dias que eu me sinto o oposto do que eu queria ser, do que eu tento
Não faço barulho, fico quieto em algum canto, sem argumentar, para fazer ele ir embora sem causar muito estrago, é assim que eu o ignoro
Não, nem sempre funciona, assim como hoje, assim como nos últimos dias.