domingo, 30 de janeiro de 2011

A Vida Que Se Faz

“Sentado no banco de um bonde, em Porto Alegre, um homem negro, pobre, com a sua cartola colocada no banco ao lado, ocupando o espaço de um passageiro, em uma das paradas sobe alguém com a estampa da importância, senta-se ao lado do passageiro, não reparando que estava amassando a cartola por inteiro.
- Levante agora, não vê que está sentado na minha Cartola?!?!

- Não sabes com quem falas?! Sou Getúlio Vargas!

- Sabe com quem o senhor fala?! Eu sou o dono da cartola !”

A vida é simples assim, bem assim.


Estamos tão longe
Pra querer pensar em voltar
Estamos tão grandes
Pra entender ou pensar em mudar
E a vida já não faz mais
Sorrir enquanto dói
A vida já não faz mais
Sentido em ser tão só

Estamos perdidos
Sem tempo pra poder chegar
Tão tristes, sozinhos
Nem o que crê, vai te ajudar
E a vida já não trás
Motivos pra curar
A vida já não faz mais
Sentido em ser tão só

Mas se algum dia reparar que sou
A fantasia disfarçando a dor
Eu pensei em ser maior e que eu pudesse te sentir
Eu só tentei ser bem maior e que pudesse me ouvir
Mas estamos tão longe
Pra pensar em voltar
E ficamos tão grandes
Pra pensar em mudar

Nós estamos tão longe
Nós ficamos tão grandes

E eu só tentei ser bem maior e que pudesse te sentir
Eu só tentei.