quinta-feira, 29 de abril de 2010

Sem tom, sem cor, sem som...

Sem tom
Toda noite é igual
Gira mais uma hora
Não chegando ao final
Sem cor
Há um corpo implorando amor lá fora, agora.
E tu estás pensando novamente
Pensando demais em coisas burras
Coisas que não são para serem pensadas
Bom dia noite que não tem mais fim
Se tu ao menos sentisses
Se ao menos visse
Visse como um telespectador assiste um bom filme
Perceberia tudo que eu esperei de ti
Esperei de ti, noite.
Não, não vá.
Não tão longe assim
Ficamos longe demais
Chegamos longe demais
Crescemos demais e agora tanto faz a distância
Somos grandes, aprendemos a suportar.
Sem som
Noite que não passa mais
Não sabe ir embora?
Se souber vai
Mas não vá agora.