quinta-feira, 1 de julho de 2010

Curto como o seu temperamento

Venho até aqui para me arrepender
Perder mais uma vez com o gosto de vitória
Bater na porta de quem não mora
Fingir ser atendido
E prometer voltar
Eu sempre volto.

Quem já subiu até o céu
E também já desceu até o inferno
Fica indeciso aqui no meio.