quarta-feira, 21 de julho de 2010

A Minha Caneta Sabe Cantar

Existem músicas que dizem exatamente o que a gente sente
Sem sentir
Acho que me tornei um compositor para poder expressar o que eu não encontrava em músicas, encontrei só em mim
Em mim só
Ultimamente tem sido fácil escrever, pois tenho sentido demais
Perdendo o sentido
Quando algo que não é material se transforma em música, é por que teve ou ainda tem uma razão forte, deixa de ser invisível e torna-se fácil de perceber o que se quer dizer, aos olhos de quem também sente
Mesmo sem querer sentir
Para mim que vivo rabiscando pedaços de papeis e transformando eles em sinceridade, sempre há uma música para o momento exato, como se a vida fosse uma trilha sonora de uma história que eu quero que aconteça
Mesmo não sabendo o que pode acontecer
As marcas ficarão para sempre, mesmo sem a gente perceber e as cicatrizes invisíveis são as mais doloridas, o que conseguimos enxergar é o que conseguimos cuidar, então transformo sentimentos em músicas e tenho muito cuidado com todas elas.
Há músicas que a gente se sente tão dentro da história, que acabamos roubando elas para a gente, mesmo não sendo ou até mesmo elas querendo expressar algo que a gente entende diferente.

Essa é minha, hoje é.

“Venta
Ali se vê
Aonde o arvoredo inventa um ballet
Enquanto invento aqui pra mim
Um silêncio sem fim
Deixando a rima assim
Sem mágoas, sem nada
Só uma janela em cruz
E uma paisagem tão comum
Telhados de Paris
Em casas velhas, mudas
Em blocos que o engano fez aqui
Mas tem no outono uma luz
Que acaricia essa dureza cor de giz
Que mora ao lado e mais parece outro país
Que me estranha mas não sabe se é feliz
E não entende quando eu grito
Eu tenho os olhos doidos, doidos, já vi
Meus olhos doidos, doidos, são doidos por ti
O tempo se foi
Há tempos que eu já desisti
Dos planos daquele assalto
E de versos retos, corretos
O resto da paixão, reguei
Vai servir pra nós
O doce da loucura é teu, é meu
Pra usar à sós
Eu tenho os olhos doidos, doidos, já vi
Meus olhos doidos, doidos, são doidos por ti.”