segunda-feira, 19 de julho de 2010

Vitrine

O velho, o velho mundo, o velho mudo
Que gritava aos ouvidos de surdos, que nunca quiseram ouvir
Gritava para que não deixassem de viver, esperando encontrar luz no fim
-A luz no fim do túnel não existe !
Insistia o velho.
O fim é sempre a parte menos importante
Que nós lutamos para esquecer
Porque sempre dói
É preciso fazer luz desde o inicio, para ir clareando o presente
Se o velho pudesse voltar no tempo, não repetiria nada, as coisas ruins e nem as boas
Teria feito do presente algo diferente do que tem agora
Enquanto grita com os olhos, olhos molhados pela tempestade final
É só mais um velho, que se acha anormal
Por não ser ouvido pelo futuro
Por não ter uma clara história de amor, para contar no escuro
O fim se apaga para sempre, não há luz.