quarta-feira, 14 de julho de 2010

Silêncio

Não sei o que dizer a quem não me diz nada
Não sei de qual forma devo olhar para um olhar que não me enxerga
Encontrando coisas que não estão perdidas e perdendo coisas que não foram minhas.
E se fosse uma verdadeira história de amor, que a gente deixou escapar assim, dando um simples “tchau”, sabendo que não iria mais ver?
Não quero te ver infeliz e pensei que tu quisesse o mesmo pra mim
Não penso mais em te ver
Na verdade, não quero pensar
Talvez eu não tenha acertado as palavras certas, que fazem abrir a porta no teu peito
Eu tinha planos de roubar tudo que tem aí dentro, pra mim, só pra mim
Isso mostra o quanto tu pode te machucar, um dia, assim como eu, agora
Certamente um novo refrão vai gritar pelo teu nome
E tu sem perceber, vai cantar.