domingo, 26 de junho de 2011

Diariamente


Diariamente


Ultimamente tenho sentido o teu cheiro
Teu cheiro, por todo lugar que eu passo
Ah, se tu soubesses a confusão que tu deixaste em mim
Arrisco dizer, que nunca vai perceber o estrago que fizeste em meu lar
Sem oferecer ajuda para arrumar
Arrumar tudo que a tempestade mudou de lugar
Eu tenho sentido teu cheiro
Até onde não há o que sentir
Provas de que a bagunça continua aqui dentro
A saudade me faz visitas surpresas, não tem respeitado nem as noites de sono
E se essa saudade soubesse ouvir e responder com clareza, eu não perguntaria motivos de vindas, não mandaria ir embora e esquecer meu endereço
Perguntaria, se ela também tem te visitado e se tem dias que tu também quase me liga
Eu nunca vou descobrir como é a visão do outro lado do rio
Do rio que não tem mais ponte
E como não sei nadar, espero que tu atravesse logo.